Com o rápido avanço dos meios de comunicação e com o frequente uso das redes sociais, as informações sobre todo o tipo de assunto são transmitidas em velocidade ímpar e, em poucos minutos, alcançam um número altíssimo de pessoas.

 

A velocidade da informação nos tempos atuais não deveria ser um problema, mas com a comum divulgação de conteúdos duvidosos ou mesmo mentirosos (as chamadas fake News), qualquer cuidado na checagem de dados é pouco para não ser enganado.

 

Infelizmente, as notícias falsas relacionadas à área da saúde não são uma novidade e, exatamente por tratarem de assunto que nos é caro, podem ser transmitidas de forma ainda mais veloz entre as pessoas.

 

Foi o que aconteceu, alguns anos atrás, com notícias que indicavam a possibilidade de que vacinas causassem doenças dos mais variados tipos, gerando um movimento de diminuição do número de pais que aplicavam as vacinas dos primeiros anos de vida em seus filhos.

 

Nesse momento de pandemia, a preocupação com esse tipo de notícia circulando pelas redes é ainda maior, principalmente porque o medo faz com que muitas pessoas transmitam a mensagem sem qualquer prévia análise quanto à sua veracidade.

 

Para evitar o pânico ou a adoção de medidas que possam causar riscos ainda maiores à saúde e à vida das pessoas, existem muitas plataformas na internet voltadas a confirmar as informações repassadas pelas redes sociais, sendo que para a área da saúde, o próprio Ministério da Saúde possui um portal com essa finalidade.

 

Embora a ferramenta não tenha sido criada para o combate das fake news relacionadas apenas ao coronavírus, pois já existe há um ano, o número de WhatsApp fornecido pelo órgão recebe denúncias que são avaliadas e classificadas pelo Ministério como verdadeiras ou falsas.

 

A resposta sobre a veracidade da notícia ou a sua classificação como fake news é dirigida ao indivíduo que tenha enviado a informação ao Ministério da Saúde e também divulgada no site do órgão para consulta pública.

 

O auxílio dos órgãos públicos no combate a notícias falsas nesse período é essencial, mas não custa reforçar o papel de cada indivíduo no tratamento desses dados. Recebendo uma notícia com conteúdo nunca visto ou que lhe cause alguma dúvida, vale uma checagem rápida na internet antes da sua divulgação a terceiros.

 

Algumas medidas simples podem ajudar nessa avaliação como, por exemplo, verificar se você conhece a fonte dessa notícia (se é um site de notícias confiável e conhecido), verificar o autor da notícia, checar a sua data, tentar consultar alguém da área, enfim, buscar informações que auxiliem na conclusão quanto à possibilidade ou não de se confiar na notícia recebida.