Muitas empresas deixam para procurar advogados somente quando têm algum problema jurídico que precisa ser resolvido. E por vezes este problema é um processo judicial ou administrativo, no qual a parte contrária acaba tendo razão. E pior ainda, os litígios judiciais podem demorar anos e causar altas condenações, às quais serão acrescidas com correção monetária e juros de 1% ao mês.

A advocacia preventiva, como o nome já diz, vem para ajudar a prevenir a ocorrência destas situações, mapeando riscos jurídicos e buscando meios de mitigá-los para evitar futuros problemas - ou buscando resolver os problemas atuais.

Este tipo de serviço advocatício pode se dar de inúmeras formas, sendo que podemos citar algumas hipóteses exemplificativas, tais como:

- o estudo das causas raízes das reclamações dos consumidores, em todos os canais de atendimento e em processos judiciais, analisando, também a jornada do cliente para buscar pontos de risco e melhoria;

- elaboração, revisão e atualização de contratos; 

- rodadas de conversas com empregados, pesquisa de clima organizacional e estudo de carteira de processos trabalhistas;

- planejamento tributário;

- consultas jurídicas prévias às tomadas de decisões;

- obtenção de autorizações e alvarás junto à Administração Pública;

- celebrações de acordos pré-processuais;

- registro de marcas, patentes e/ou softwares.

Dos resultados obtidos nas ações preventivas, uma série de projetos e melhorias podem ser implementados na empresa, buscando melhorias de procedimentos internos e/ou a mudança das mentalidades dos gestores. Novas ideias podem surgir e ser bem enquadradas na lei; contratações são feitas com mais assertividade; controles e ferramentas de gestão podem ser implementados para que o empresário esteja atuando em compliance.  

Para tudo isso acontecer, o advogado não atua sozinho: há a necessidade de colaboração e atuação multidisciplinar com gestores, colaboradores, administradores, contadores, engenheiros, TI etc.

E não basta deixar para atuar somente depois que o problema já tiver acontecido. É necessário que os empresários, inclusive os microempreendedores, tenham a mentalidade de atuar prévia e proativamente, buscando mitigação de riscos e a atuação de acordo com a lei e com o direito.

Tudo isso vai trazer mais segurança ao empresário, reduzindo os riscos e também os custos com processos judiciais e administrativos.