Ver o seu agressor ser processado criminalmente é um Direito seu e de toda a sociedade!

 

Olá, meu nome é José Davi Souza Jr., sou advogado criminalista e sócio do escritório José Davi Consultoria e Advocacia Criminal, e gostaria de compartilhar com você algumas orientações sobre o que fazer quando for vítima de um crime!

 
 

O que leva uma pessoa a cometer um crime? É difícil entender ou ter empatia, às vezes é até doloroso imaginar os motivos que levaram o agressor a fazer aquilo que fez... O sentimento de revolta com a inércia do Estado se une ao sentimento de descrédito na humanidade e lhe deixa sem chão, principalmente se estivermos falando de um crime violento, que afeta não só a vítima como também a sua família...

 

Se, contudo, ver o agressor ser criminalmente julgado e condenado lhe possibilitar encontrar alguma paz, saiba que você pode contribuir com a condenação, ajudando não só na fase policial, como também na fase judicial.

 

Aqui vão algumas orientações do que você deve fazer:

 

1. FAÇA UM BOLETIM DE OCORRÊNCIA

 

Muita gente acredita que fazer um boletim de ocorrência é inútil, pois o sentimento de impunidade está enraizado na população, contudo saiba que é o B.O. que permite que as políticas de segurança evoluam, pois através dele é possível identificar os crimes mais cometidos, bem como identificar áreas com mais incidência de crimes, além de ser bem simples e rápido registrar um Boletim.

 

Inclusive, é até possível fazer online, por meio da Delegacia Virtual!

 

Em Sergipe, é possível registrar um B.O. eletrônico apenas em caso de crimes de furto de dispositivos móveis ou documentos pessoais, sendo ainda possível registrar acidente de trânsito sem vítimas. Tudo isso é feito no Portal do Cidadão da SSP/SE, clicando aqui.

 

2. REÚNA TESTEMUNHAS OCULARES

 

Ao Registrar o B.O., leve as testemunhas oculares do fato para que prestem depoimentos. Caso não seja possível comparecer pessoalmente, informe, no mínimo, o NOME, ENDEREÇO e TELEFONE de todas as testemunhas que conseguir reunir e apresente à autoridade que colher o seu B.O.

 

3. REÚNA PROVAS DOCUMENTAIS, SE HOUVER

 

Use e abuse dos registros do fato criminoso!

 

Fotos, vídeos, documentos, conversas de WhatsApp/SMS, gravações de áudio ou de ligação, dentre outros, devem ser devidamente organizados e guardados, no intuito de auxiliar à Polícia.

 

Lembre-se: no Brasil, uma parcela bem pequena dos crimes são solucionados, e isto se deve à inúmeros fatores, desde o baixo efetivo policial, ausência de modernização e desenvolvimento de ações de inteligência até às péssimas políticas de segurança pública dos nossos governos, em geral. Por isso, todas as informações que você puder levar ao conhecimento do Delegado, será bem recebida e aumentará suas chances em ver o crime ser solucionado.

 

4. CONSTITUA UM ADVOGADO PARA ATUAR COMO ASSISTENTE DA ACUSAÇÃO

 

Depois da fase do Inquérito Policial, inicia-se a fase Judicial, por meio de uma denúncia feita pelo Promotor de Justiça ou Procurador da República ao Juiz Estadual ou Federal, respectivamente.

 

Muitos pensam que as vítimas podem auxiliar na elucidação do crime somente na fase do inquérito policial, mas na verdade aqui também se pode contribuir, por meio da constituição de um Assistente de Acusação.

 

Este assistente - que não é obrigatório - é nada mais do que um Advogado, que irá auxiliar o Ministério Público na persecução criminal, observando, sobretudo, os interesses da vítima, seja na reparação do dano sofrido ou na efetiva condenação do acusado.