O divórcio é um momento desgastante para qualquer casal, até mesmo o divórcio consensual pode ser extremamente custoso emocionalmente para as partes envolvidas. Além disso, é bom lembrar que mesmo um divórcio consensual poderá se tornar um divórcio litigioso a qualquer momento.

Mas, por que o divórcio costuma ser tão difícil para os casais? Além do natural abalo emocional pelo fim de uma relação de confiança, o processo de divórcio toca naquilo que é essencial nas nossas vidas, ele interfere no patrimônio das partes, na relação com os filhos, pode provocar a mudança do nome dos divorciandos. Portanto, é natural que haja abalos emocionais durante esse tipo de processo.

Uma solução para amenizar essa difícil fase da vida pode ser o divórcio colaborativo. No divórcio colaborativo, os advogados envolvidos no caso se comprometem a assinar um termo de não litigância e a trabalharem em parceria para alcançar uma solução que seja satisfatória para todos os envolvidos. Portanto, aqueles advogados que trabalharão no divórcio colaborativo não poderão advogar para nenhuma das partes em caso de insucesso de acordo, o que garante um ambiente protegido e propício a alcançar soluções consensuais.

São feitas diversas reuniões entre os clientes e os advogados, que, inclusive, podem contar com a presença de uma equipe multidisciplinar, como consultor financeiro, terapeuta, entre outros profissionais. Normalmente, os divórcios colaborativos são mais ágeis e alcançam resultados que as partes consideram mais convenientes do que aqueles obtidos em divórcios litigiosos, o que o torna uma boa opção para aqueles casais que já decidiram pelo divórcio, mas querem fazer com que esse momento seja o menos doloroso possível.